quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

ANPJ - "Não podemos deixar de falar do que vimos e ouvimos" (Atos 4,20)

Nos dias 19 a 26 de janeiro aconteceu a 6° Ampliada Nacional da Pastoral da Juventude(ANPJ) em Ribeirão das Neves- BH, com tema "Somos Igreja Jovem: 40 anos construindo a civilização do amor.Estiveram presentes cerca de 120 jovens, dentre os delegados dos diversos regionais do nosso Brasil, convidados e equipes de trabalho.

A  ANPJ, se iniciou com atividades culturais e a celebração dos 40 anos da Pj, na praça da Assembleia Legislativa em Bh, que reuniu muitos pjoteiros de diversas partes do pais. Dom Eduardo presidiu a celebração,e ao final foi lida uma mensagem e agradecimentos aos parceiros que ajudaram na organização das atividades dos 40 anos da PJ.A Pj Rio se fez presente na Missa com alguns representantes de nossa arquidiocese, que foram na caravana do Regional leste 1.

A Ampliada foi composta por momentos de mistica, deliberações, votações, plenária, muita musica e festa.Foi projetado a caminhada da Pj no Brasil para os próximos 3 anos, e a eleição da nova secretaria nacional,na pessoa de Aline Oligari do Regional Sul 4, Santa catarina. No momento mistico da despedida do ex secretario Nacional Thiesco,foi de muita emoção e memoria de sua sua oferta de vida nos últimos 3 anos que representou a Pj na Cnbb.

Estiveram presentes pessoas marcante na trajetória dos 40 anos da Pj no Brasil, como Pe Hilario Dick, que ficou durante toda a ampliada, vivenciado com os jovens e partilhando suas experiencias.Lourival Rodrigues, da Casa da Juventude, Irma Ângela,Alessandra Miranda da caritas Brasileira, e dentre outros assessores e parceiros de caminhada.

Abaixo uma reflexão feita por Aline Barbosa, que foi como delegada do Leste 1, representando também nossa arquidiocese, a cerca da experiencia vivida na ANPJ:

Daquilo que vi e ouvi...

- Vi amor estampado em cada rosto jovem aqui pela causa do Reino, de diversas formas, culturas,gestos,cores,cheiros e gostos.
Ouvi sonhos para uma Igreja mais pés no chão, mais voltada para o pobre.
Ouvi questionamentos, criticas e alegrias de ser jovem, mesmo com tantas dificuldades e indignação por tantos que morrem.
Vi muita luz, simplicidade e sinceridade com o evangelho.
Vi esperança,vi muitas lagrimas e incertezas
Mas ouvir o que precisava ver e ouvir para ser mais Igreja.
Precisava desse animo novo, de uma perspectiva de novos tempos, e com coração mais animado
Quero transformar tudo o que ainda nao foi transformado
E ajudar de fato na construção da civilização o amor
Ser Igreja num contexto difícil e complexo sem medo
Mas jamais desistir de lutar pela causa do Reino.


Verdadeira condição para construir a civilização do amor

Quantas vezes somos presos por diversas formas, por sentimentos
Por pessoas,por situações,por cargos e momentos
Esta prisão as vezes nos impede de levar a boa nova efetivamente
Em determinada fase da vida prendemos a mente

Em coisas superficiais que não nos completam
Não somos sinceros com quem nos ama,não somos chegada para os que nos esperam
Não reconhecemos o tempo de mudar
Por medo de perder,por medo de verdadeiramente se entregar

A entrega pela causa do Reino
Pela vida dos que não tem vida
Mas mesmo com nossas limitações
Mesmo em nossas prisões
Assumimos a missão com ousadia e atitude
E a nossa oferta de vida e testemunho para a juventude
É sinal de transformação
É por amor que continuamos a caminhar
Mesmo que pela estrada deixemos pessoas e coisas que não conseguem nos companhar

É por amor que falamos sem medo
E mesmo em segredo
Onde Deus sabe o que vem nos motivar
Temos a coragem e falar
O que vimos e ouvimos na condição de amar

É no chão da minha historia
Que faço memoria
Da vida que vivi
Das musicas que cantei
Dos sentimentos que senti
Dos sonhos que sonhei

Da busca pela felicidade
Do anuncio da verdade
Com a força que embala meu servir
Com a energia que não me deixa desistir
Eu sou vida  que leva verdade
Eu sou liberdade

Eu sou luz na escuridão
Sou esperança que faz pulsar forte o coração
Eu sou voz no silencio dos que fogem
Sou esperança, sou flor
Eu sou os sonhos que nunca morrem
Sou construtora da civilização do amor


Aline Barbosa Almeida
Assessoria Arquidiocesana da Pastoral da Juventude do Rio de Janeiro

terça-feira, 21 de janeiro de 2014

São Sebastião, rogai por todos nós

* Walmyr Junior.
O exemplo de amor ao próximo e sensibilidade para as situações de agudos sofrimentos, fazem do Jovem Mártir Sebastião um testemunho da caridade. Sabemos que caridade e amor são sinônimos que definem a forma harmônica e perfeita das relações entre homens e mulheres, assim como a relação entre criador e criatura.
Vivemos uma realidade social onde temos poucas referencias e exemplos vivos de práticas do respeito e prática do bem comum. Recorremos aos grandes nomes que marcaram a história da humanidade para reivindicar e lutar por um clima favorável para a difusão da justiça social em todos os espaços das nossas cidades, podendo assim construir a “civilização do amor”.
Segundo a tradição da Igreja Sebastião nasceu em, na Gália, atual França, mas foi criado por sua mãe em Milão, na Itália, esses relatos sobre sua vida são fragmentos retirados dos registros de Santo Ambrósio de Milão.Pertencente a uma família cristã, foi batizado ainda guando criança.
Por volta de 283 dc., Sebastião decidiu engajar na fileiras do exército romano com a única intenção de afirmar no coração dos cristãos, enfraquecido diante das torturas sofridas pelos soldados, a esperança da ressurreição. Era querido dos imperadores Diocleciano e Maximiano, que o queriam sempre próximo, ignorando tratar-se de um cristão e, por isso, o designaram capitão da sua guarda pessoal, a Guarda Pretoriana.
O que nos chama a atenção na história de São Sebastião é o zelo pelo testemunho concreto da caridade cristã. Ele fazia tudo para ajudar os irmãos na fé, procurando revelar o Deus verdadeiro aos soldados e aos prisioneiros. Secretamente, Sebastião conseguiu converter muitos pagãos ao cristianismo. Até mesmo o governador de Roma, Cromácio, e seu filho foram convertidos por ele.
As causas da sua condenação estão justamente ligadas as suas atitudes brandas com os cristãos presos pelo exército romano. Sebastião foi denunciado, pois estava contrariando o seu dever punitivo de oficial da lei. Teve então, que comparecer ante ao imperador para dar satisfações sobre o seu procedimento. O imperador Diocleciano considerou-se traído por Sebastião não executar as sentenças que eram determinadas para os presos.
Sumariamente acusado de traidor, a sentença foi imediata: deveria ser amarrado a uma árvore e executado a flechadas. Após a ordem ser executada, Sebastião foi dado como morto e ali mesmo abandonado, pela mesma guarda pretoriana que antes chefiara. Entretanto, quando uma senhora cristã foi até o local à noite, pretendendo dar-lhe um túmulo digno encontrou-o vivo! Levou-o para casa e tratou de suas feridas.
Já com a saúde restaurada Sebastião ousadamente se apresentou ao imperador censurando-o pelas injustiças cometidas contra os cristãos e contra a população do Império, acusando-o de inimigo do Estado. Diocleciano o entregou à guarda pretoriana após condená-lo, desta vez, ao martírio no Circo. Sebastião foi executado então com pauladas e boladas de chumbo, sendo açoitado até a morte, no dia 20 de janeiro de 288. 
Seu martírio está intimamente ligado á defesa do bem comum, a defesa de uma justiça social.  A vida do jovem mártir não está pautada na segregação e sectarismo, mas sim, na igualdade e na fraternidade. Sebastião olha para o exemplo de Cristo e vê Nele, um projeto de vida que tem uma referencia transcendente, mas também emanante.
No martírio de São Sebastião, vemos claramente a fé e a política caminhar lado a lado. É possível ver “se eu não tiver caridade nada adianta” (1Cor 13,33) e por isso a caridade, testemunhada por Sebastião, é um apelo para a promoção humana, onde cada um e cada uma de nós têm nesse exemplo uma referencia para ser seguida.

* Walmyr Junior 
Coordenação Regional da Pastoral da Juventude (CRPJ)

quarta-feira, 15 de janeiro de 2014

ANPJ - Ampliada Nacional da Pastoral da Juventude

Carta da delegada da ANPJ, representando nossa arquidiocese. Para todos os pjoteiros do Rio.

"Queridos amigos e companheiros de caminhada!!!

É com grande alegria que estarei indo a ANPJ 2014(Ampliada Nacional da Pj) levando a simpatia e energia dos Pjoteiros Cariocas.Vou como delegada da PJ do Regional Leste 1.
Esta Ampliada será de 19 a 26 de janeiro com tema "Somos Igreja Jovem" 40 anos construindo a civilização do amor" e marca um grande momento da historia dos 40 anos da Pastoral da Juventude no Brasil. Será um espaço de partilha,reflexão construção e deliberação. E gostaria de contar com suas orações para que eu corresponda a responsabilidade de estar representando não só a Arquidiocese do Rio, mas também o Leste 1.

Saibam que levarei na mala além de tudo que é necessário e desnecessário rs, levarei no coração a alegria, sonhos e esperanças de cada um de vocês.Representando também cada jovem,que no seu trabalho pastoral sonha com uma juventude protagonista e que contribui para um mundo mais justo e fraterno.

Confesso que estou um pouco nervosa, pois e a 1° vez que participo de uma ampliada Nacional, mas com a força do Espirito e o apoio de vocês terei grande disposição e falas construtivas para contribuir com uma Pastoral mais forte e voltada para os grupos de base.

Para a Pj Rio, esta ampliada traz um sopro de esperança de transformação, pois ela será pautada no tema "Somos Igreja jovem", que nos remete a importância do protagonismo Juvenil e missão profética da Pastoral da Juventude não só no contexto eclesial, mas social, politico e cultural.

Em tempo de pós Jmj, nós refletimos sobre a nossa missão nesse mundo que vive em constante mudança, e inspirados pela exortação apostólica do nosso querido Papa Francisco, que diz:"Sonho com uma opção missionária capaz de transformar tudo, para que os costumes, os estilos, os horários, a linguagem e toda a estrutura eclesial se tornem um canal proporcionado mais à evangelização do mundo atual que à autopreservação." 
 Sejamos fervorosos de Espirito e ousados na evangelização, tendo olhar especial a base, que sustenta e da vida da Pastoral da Juventude.

Espero que vocês possam estar em sintonia com a ANPJ, pois tentarei ao máximo estar postando nas mídias da Pj Rio e pessoais, tudo que estará rolando la. Aceito mensagens, perguntas, e tudo que vocês quiserem mandar, para estarmos bem próximos e ajudando na continuação dessa linda historia da Pj, e também nesse processo de revitalização da Pj Rio,onde desejamos fortalecer a nossa base e nos comprometer cada vez mais pela Causa do Reino.

Rezemos para que essa ANPJ possa fortalecer nosso trabalho, nos unir cada vez mais e sermos mais ousados na evangelização, nos colocando a frente de pautas que defendam a vida da juventude e sendo testemunhas da verdade. Sem nunca esquecer do nosso principal objetivo, que é levarmos o Cristo jovem a todos. Espero voltar com muitas novidades e um animo novo para contribuir com nosso trabalho pastoral.

Que possamos conhecer nossa historia e saber dar valor ao que somos e a força que temos na Igreja.'Somos Igreja Jovem". 

"Não podemos deixar de falar do que vimos e ouvimos.." (At 4,20)

Na alegria e esperança pjoteira.

Aline Barbosa
Assessoria Arquidiocesana da PJ RIO

quinta-feira, 2 de janeiro de 2014

Feliz 2014!



2013,


Infinito...tenso, intenso, denso.
Sim, ele também se foi, enfim, finito.
De música e poesia, de sonho e encanto
de subtração e sufoco, céu e sombra...

Da vida da gente o que fica e o que vai
são as chegadas e despedidas,
Os novos tons, timbres e ensaios
são enormes, as sensações
e certezas do encontro.

O ano cheio de novidades, surpresas e sensações
suspiros, canções...
o que desafina são os ecos no escuro, distantes
do povo, da vida, do colorido e cabelo comprido,
solto entre todos os meios e auferidos
nas mãos de quem acolhe.

Nas sombras, na vida colhida e enternecida
e entre tudo colho e guardo por entre os dedos
as flores, distribuídas no passo do caminhar
são belas, cheias de sorriso, de vida, de liberdade
são flores de carinho, de canção, de eternidade.

2013, errante, descrente, vibrante
ficas na memória do que se foi
e do que se renova
e do que se reina
e do que se renasce...

porque na vida o que se tem
e o que brilha são os tons de alegria,
de esperança e fraternidade
os tons navegáveis no Reino e no
sopro de terna e eterna liberdade.

Feliz 2014!



Texto: Uilian Dalpiaz (PJ de Santa Catarina)
Imagem: Marcelo Magalhães 
(PJ de Santa Catarina)

Siga-nos!!!