Partilha da Palavra


UM MÁRTIR DA VERDADE 

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Marcos.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 14o rei Herodes ouviu falar de Jesus, cujo nome se tinha tornado muito conhecido. Alguns diziam: “João Batista ressuscitou dos mortos. Por isso os poderes agem nesse homem”. 15Outros diziam: “É Elias”. Outros ainda diziam: “É um profeta como um dos profetas”.
16Ouvindo isto, Herodes disse: “Ele é João Batista. Eu mandei cortar a cabeça dele, mas ele ressuscitou!” 17Herodes tinha mandado prender João, e colocá-lo acorrentado na prisão. Fez isso por causa de Herodíades, mulher do seu irmão Filipe, com quem se tinha casado. 
18João dizia a Herodes: “Não te é permitido ficar com a mulher do teu irmão”. 19Por isso Hero­díades o odiava e queria matá-lo, mas não podia. 20Com efeito, Herodes tinha medo de João, pois sabia que ele era justo e santo, e por isso o protegia. Gostava de ouvi-lo, embora ficasse embaraçado quando o escutava. 
21Finalmente, chegou o dia oportuno. Era o aniversário de Herodes, e ele fez um grande banquete para os grandes da corte, os oficiais e os cidadãos importantes da Galileia. 22A filha de Herodíades entrou e dançou, agradando a Herodes e seus convidados. Então o rei disse à moça: “Pede-me o que quiseres e eu te darei”. 23E lhe jurou dizendo: “Eu te darei qualquer coisa que me pedires, ainda que seja a metade do meu reino”. 
24Ela saiu e perguntou à mãe: “Que vou pedir?” A mãe respondeu: “A cabeça de João Batista”. 25E, voltando depressa para junto do rei, pediu: “Quero que me dês agora, num prato, a cabeça de João Batista”. 
26O rei ficou muito triste, mas não pôde recusar. Ele tinha feito o juramento diante dos convidados. 27Imediatamente, o rei mandou que um soldado fosse buscar a cabeça de João. O soldado saiu, degolou-o na prisão, 28trouxe a cabeça num prato e a deu à moça. Ela a entregou à sua mãe. 29Ao saberem disso, os discípulos de João foram lá, levaram o cadáver e o sepultaram. 

- Palavra da Salvação. 
- Glória a vós, Senhor.

UM MÁRTIR DA VERDADE A liberdade com a qual Jesus pregava levou-o a ser confundido com João Batista. A corte do rei Herodes, por exemplo, quando ouviu falar a respeito de Jesus, pensou tratar-se de João Batista ressuscitado, operando maravilhas.
João Batista se tornara conhecido pela sua defesa intransigente da verdade. Nem o rei escapou de ser denunciado, quando, de maneira arbitrária, tomou para si a mulher de seu irmão. O profeta João não hesitou de lançar-lhe em face não ser permitido conservar para si aquela que não lhe pertencia. 
Sua figura frágil não se intimidou diante da fúria de rei e de sua concubina. Ele não podia pactuar com o pecado de quem quer que fosse. E não temia pagar o preço de sua liberdade. Ele devia fidelidade somente a Deus. 
O destino de João chamava a atenção para o destino de Jesus e de seus discípulos. Eles deveriam contar com a rejeição e a morte, especialmente, quando o serviço do Reino os confrontasse com a prepotência dos poderosos. A atitude firme e corajosa do Batista serviria de modelo inspirador. Assim como ele não se curvou diante da iniqüidade do rei, Jesus também não se curvaria. Os discípulos deveriam tomar esta atitude como modelo. O serviço do Reino comporta o testemunho da verdade, mesmo com o risco de perder a vida. 

Oração 
Senhor Jesus, seja o testemunho de liberdade e coragem demonstrado por João fonte de inspiração para minha caminhada de discípulo. 

O comentário do Evangelho foi feito pelo Pe. Jaldemir Vitório, SJ




Questionamento do dia: Preconceito? Ou falta de fé?

Proclamação do evangelho segundo São Marcos 6,1-6

Saindo dali, Jesus foi para sua própria terra. Seus discípulos o acompanhavam. No sábado, ele começou a ensinar na sinagoga, e muitos dos que o ouviam se admiravam. "De onde lhe vem isso?", diziam. "Que sabedoria é esta que lhe foi dada? E esses milagres realizados por suas mãos? Não é ele o carpinteiro, o filho de Maria, irmão de Tiago, Joset, Judas e Simão? E suas irmãs não estão aqui conosco?" E mostravam-se chocados com ele. Jesus, então, dizia-lhes: "Um profeta só não é valorizado na sua própria terra, entre os parentes e na própria casa". E não conseguiu fazer ali nenhum milagre, a não ser impor as mãos a uns poucos doentes. Ele se admirava da incredulidade deles. E percorria os povoados da região, ensinando. 

Leitura Orante
Preparo-me para orar a Palavra invocando, com todos que circulam na internet, o Espírito Santo:
Espírito de verdade,
consagro-te a minha inteligência,
imaginação e memória, ilumina-me.
Dá-me conhecer Jesus Cristo Mestre. 


1. Leitura ( Verdade)
- O que a Palavra diz?
Leio o texto da Palavra de hoje em Mc 6,1-6.
Compreende-se que, sendo Nazaré uma pequena vila de cerca de 300 vizinhos, tivesse um único carpinteiro. O texto diz também que se questionavam se não era ele o irmão de Tiago, José, Judas e Simão. Em aramaico, uma mesma palavra é usada tanto com o sentido de irmão próprio como de parente próximo, e, portanto, não indica que Maria teve outros filhos ou filhas.
Com a baixa auto-estima, ou seja, não acreditando nos valores de um filho da terra, veio a incredulidade, ou seja, não acreditam que Jesus de Nazaré é Filho de Deus.
Na verdade, a fé não cura. Mas, é condição para que o poder de Deus atue com independência de outras intenções. Ali, Jesus curou alguns doentes, diz o texto. A cura é o sinal para encontrar o verdadeiro dom de Jesus: a salvação.
Jesus ficou admirado com a falta de fé que havia ali. 


2. Meditação (Caminho)
O que a Palavra diz para mim?
O evangelista Marcos diz quem é Jesus. Os nazarenos não estavam interessados nisto. Só queriam saber dos milagres. Apenas buscavam seus interesses e não, a pessoa de Jesus.
Os bispos, na Conferência de Aparecida, lembraram que como cristãos somos portadores de boas novas: "Deus amou tanto nosso mundo que nos deu o seu Filho. Ele anuncia a boa nova do Reino aos pobres e aos pecadores. Por isso, nós, como discípulos e missionários de Jesus, queremos e devemos proclamar o Evangelho, que é o próprio Cristo. Anunciamos a nossos povos que Deus nos ama, que sua existência não é ameaça para o homem, que Ele está perto com o poder salvador e libertador de seu Reino, que Ele nos acompanha na tribulação, que alenta incessantemente nossa esperança em meio a todas as provas. Os cristãos somos portadores de boas novas para a humanidade, não profetas de desventuras". (DA 30).
É assim que você se sente e vive? 


3. Oração (Vida)
O que a Palavra me leva a dizer a Deus?
Acolho no meu coração Jesus de Nazaré e rezo com o papa Bento XVI:
Ficai conosco, Senhor, acompanhai-nos, ainda que nem sempre tenhamos sabido reconhecer-vos. Ficai conosco, porque as sombras vão se tornando densas ao nosso redor, e vós sois a Luz; em nossos corações se insinua a desesperança, e vós nos fazeis arder com a certeza da Páscoa. Estamos cansados do caminho, mas vós nos confortais na fração do pão para anunciar aos nossos irmãos que na verdade vós ressuscitastes e nos destes a missão de ser testemunhas da vossa ressurreição."
( Bento XVI, Discurso inaugural na V Conferência) 


4. Contemplação/Ação (Vida)
- Qual o meu novo olhar a partir da Palavra?
Depois deste contato com Jesus de Nazaré, vou passar o dia, acolhendo Deus e as suas manifestações nas coisas simples, no pequeno, em cada pessoa.
Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Amém 


Bênção
- Deus nos abençoe e nos guarde. Amém.
- Ele nos mostre a sua face e se compadeça de nós. Amém.
- Volte para nós o seu olhar e nos dê a sua paz. Amém.
- Abençoe-nos Deus misericordioso, Pai e Filho e Espírito Santo. Amém.

Fonte: www.paulinas.org.







Jesus cura mulher e ressuscita a menina!
Leitura Orante


Mc 5,21-43

Jesus [...]estava à beira-mar. Veio um dos chefes da sinagoga, chamado Jairo. Vendo Jesus, caiu-lhe aos pés e suplicava-lhe: "Minha filhinha está nas últimas. Vem, impõe as mãos sobre ela para que fique curada e viva!" Jesus foi com ele. Uma grande multidão o acompanhava e o apertava de todos os lados. Estava aí uma mulher que havia doze anos sofria de hemorragias [...], aproximou-se, na multidão, por detrás e tocou-lhe no manto. Ela dizia: "Se eu conseguir tocar na roupa dele, ficarei curada". Imediatamente a hemorragia estancou. [...] Jesus percebeu que uma força tinha saído dele e, voltando-se para a multidão, perguntou: "Quem tocou?" Os discípulos disseram: "Tu vês a multidão que te aperta, e ainda perguntas: 'Quem me tocou?'" [...] A mulher [...] caiu-lhe aos pés e contou a verdade. Jesus disse à mulher: "Filha, a tua fé te salvou. Vai em paz e fica livre da tua doença". [...] Chegaram alguns da casa do chefe da sinagoga dizendo: "Tua filha morreu. [...] Jesus disse ao chefe da sinagoga: "Não tenhas medo, somente crê". [...]. Quando chegaram à casa do chefe da sinagoga, Jesus [...] perguntou: "Por que [...]chorais? A menina não morreu, ela dorme". [...] Afastando a multidão,[...]entrou onde estava a menina. Pegou a menina pela mão e disse-lhe: "Talitá cum!" (que quer dizer: "Menina, eu te digo, levanta-te"). A menina se levantou e começou a andar - já tinha doze anos de idade. Ficaram extasiados de tanta admiração. Jesus recomendou com insistência que ninguém soubesse do caso e falou para que dessem de comer à menina. 
Leitura Orante
- A nós, a paz de Deus, nosso Pai,
a graça e a alegria de Nosso Senhor Jesus Cristo,
no amor e na comunhão do Espírito Santo.
- Bendito seja Deus que nos reuniu no amor de Cristo!

Preparo-me para a Leitura, rezando:
Jesus Mestre, que dissestes:
"Onde dois ou mais estiverem reunidos em meu nome,
eu aí estarei no meio deles",
ficai conosco,
aqui reunidos (pela grande rede da internet),
para melhor meditar
e comungar com a vossa Palavra.
Sois o Mestre e a Verdade:
iluminai-nos, para que melhor compreendamos
as Sagradas Escrituras.
Sois o Guia e o Caminho:
fazei-nos dóceis ao vosso seguimento.
Sois a Vida:
transformai nosso coração em terra boa,
onde a Palavra de Deus produza frutos
abundantes de santidade e missão. (Bv. Alberione)

1. Leitura (Verdade)
- O que a Palavra diz?
Preparando-me para a Leitura Orante, invoco o Espírito Santo:
A Vós, Espírito de Verdade, consagro a mente,
a fantasia e a memória: iluminai-me.
Fazei-me conhecer Jesus Cristo
e compreender o seu Evangelho
e a doutrina da Santa Igreja.
(Bem-aventurado Alberione)

Leio o texto do Evangelho de hoje, na minha Bíblia: Mc 5,21-43
Procuro entender melhor o texto:
Jairo era chefe da sinagoga. Devia interpretar a lei, conduzir a oração na sinagoga, ler as Escrituras. Era alguém influente em sua comunidade.
Quando Jesus chegou e a multidão o acolheu, ainda na praia, Jairo, foi também a ele, em busca de socorro para sua filha que estava à morte. A menina, de 12 anos, sofria de algo muito grave. Jesus acompanhava Jairo quando uma mulher que, há doze anos, sofria de uma hemorragia, o tocou e ficou curada. A atenção ao chefe da sinagoga não distraiu Jesus da atenção para com os milhões de pobres e excluídos, representados naquela mulher anônima.
Na casa do chefe da sinagoga, contra toda esperança de vida, Jesus tomou a menina pela mão, ordenou que se levantasse e ela se levantou, e pediu que dessem de comer à menina - sinal de que estava viva!
Duas mulheres, numa cultura em que a mulher não era considerada. Nos dois casos Jesus devolveu a vida e a alegria. E à mulher que sentia medo ao ser flagrada por tocar-lhe a capa, Jesus disse: "Você sarou porque teve fé". O mesmo disse a Jairo: "Não tenha medo, tenha fé!"

2. Meditação (Caminho)
- O que a Palavra diz para mim?
Será que, às vezes, o meu medo não é maior que a minha fé? Prefiro ficar como estou e não busco ajuda de Deus que é maior do que tudo!Será que meus problemas são maiores que a minha fé? E a batalha da vida, não parece, às vezes, tomar dimensões maiores que a minha fé?
Admito que a minha fé está um tanto anêmica e precisa de um tratamento, um toque na capa de Jesus. Nestes casos, o melhor restaurador é a oração. De preferência, a oração da Palavra, um encontro profundo com Jesus Mestre. Disseram os bispos, em Aparecida: "Conhecer a Jesus Cristo pela fé é nossa alegria; segui-lo é uma graça, e transmitir este tesouro aos demais é uma tarefa que o Senhor, ao nos chamar e nos eleger, nos confiou. Com os olhos iluminados pela luz de Jesus Cristo ressuscitado podemos e queremos contemplar o mundo, a história..." (DAp 18).

3. Oração (Vida)
- O que a Palavra me leva a dizer a Deus?
Como Jairo, prostro-me aos pés de Jesus e suplico-lhe:
Senhor Jesus, Mestre, Verdade, Caminho e Vida,
vem até a minha casa, a minha família, ao meu trabalho, ao meu mundo.
Ilumina os cantos escuros da minha vida com a tua Verdade.
Mostra-me o Caminho certo que devo seguir.
Dá-me tua mão. Levanta-me da morte de meus ideais, de meus projetos.
Restaura-me as forças com a tua Vida.

4. Contemplação (Vida/Missão)
- Qual o meu novo olhar a partir da Palavra?
Meu novo olhar será de fé, na certeza de que Deus vem ao meu encontro sempre.
Um olhar de fé que me permite tocar o Senhor que passa por mim a cada instante no meio das pessoas.
Um olhar de fé me faz levantar mesmo quando as pessoas me vêem sem coragem, sem forças, sem vida! 

Bênção 
- Deus nos abençoe e nos guarde. Amém. 
- Ele nos mostre a sua face e se compadeça de nós. Amém. 
- Volte para nós o seu olhar e nos dê a sua paz. Amém. 
- Abençoe-nos Deus misericordioso, Pai e Filho e Espírito Santo. Amém. 


Fonte  http://www.paulinas.org.br




— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Marcos.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 1Jesus e seus discípulos chegaram à outra margem do mar, na região dos gerasenos. 2Logo que saiu da barca, um homem possuído por um espírito impuro, saindo de um cemitério, foi a seu encontro. 3Esse homem morava no meio dos túmulos e ninguém conseguia amarrá-lo, nem mesmo com correntes. 4Muitas vezes tinha sido amarrado com algemas e correntes, mas ele arrebentava as correntes e quebrava as algemas. E ninguém era capaz de dominá-lo. 5Dia e noite ele vagava entre os túmulos e pelos montes, gritando e ferindo-se com pedras. 6Vendo Jesus de longe, o endemoninhado correu, caiu de joelhos diante dele 7e gritou bem alto: “Que tens a ver comigo, Jesus, Filho do Deus altíssimo? Eu te conjuro por Deus, não me atormentes!” 8Com efeito, Jesus lhe dizia: “Espírito impuro, sai desse homem!” 9Então Jesus perguntou: “Qual é o teu nome?” O homem respondeu: “Meu nome é ‘Legião’, porque somos muitos”. 10E pedia com insistência para que Jesus não o expulsasse da região. 11Havia aí perto uma grande manada de porcos, pastando na montanha. 12O espírito impuro suplicou, então: “Manda-nos para os porcos, para que entremos neles”. 13Jesus permitiu. Os espíritos impuros saíram do homem e entraram nos porcos. E toda a manada — mais ou menos uns dois mil porcos — atirou-se monte abaixo para dentro do mar, onde se afogou. 14Os homens que guardavam os porcos saíram correndo e espalharam a notícia na cidade e nos campos. E as pessoas foram ver o que havia acontecido. 15Elas foram até Jesus e viram o endemoninhado sentado, vestido e no seu perfeito juízo, aquele mesmo que antes estava possuído por Legião. E ficaram com medo. 16Os que tinham presenciado o fato explicaram-lhes o que havia acontecido com o endemoninhado e com os porcos. 17Então começaram a pedir que Jesus fosse embora da região deles. 18Enquanto Jesus entrava de novo na barca, o homem que tinha sido endemoninhado pediu-lhe que o deixasse ficar com ele. 19Jesus, porém, não permitiu. Entretanto, lhe disse: “Vai para casa, para junto dos teus e anuncia-lhes tudo o que o Senhor, em sua misericórdia, fez por ti”. 20E o homem foi embora e começou a pregar na Decápole tudo o que Jesus tinha feito por ele. E todos ficavam admirados.

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.


"Eis que o semeador saiu a semear"

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Marcos 4,1-20
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 1Jesus começou a ensinar de novo às margens do mar da Galileia. Uma multidão muito grande se reuniu em volta dele, de modo que Jesus entrou numa barca e se sentou, enquanto a multidão permanecia junto às margens, na praia.
2Jesus ensinava-lhes muitas coisas em parábolas. E, em seu ensinamento, dizia-lhes:3“Escu­tai! O semeador saiu a semear. 4Enquanto semeava, uma parte da semente caiu à beira do caminho; vieram os pássaros e a comeram. 5Outra parte caiu em terreno pedregoso, onde não havia muita terra; brotou logo, porque a terra não era profunda, 6mas, quando saiu o sol, ela foi queimada; e, como não tinha raiz, secou. 7Outra parte caiu no meio dos espinhos; os espinhos cresceram, a sufocaram, e ela não deu fruto.
8Outra parte caiu em terra boa e deu fruto, que foi crescendo e aumentando, chegando a render trinta, sessenta e até cem por um”. 9E Jesus dizia: “Quem tem ouvidos para ouvir, ouça”. 10Quando ficou sozinho, os que estavam com ele, junto com os Doze, perguntaram sobre as parábolas. 11Jesus lhes disse: “A vós, foi dado o mistério do Reino de Deus; para os que estão fora, tudo acontece em parábolas, 12para que olhem mas não enxerguem, escutem mas não compreendam, para que não se convertam e não sejam perdoados”.
13E lhes disse: “Vós não com­preendeis esta parábola? Então, como compreendereis todas as outras parábolas? 14O semeador semeia a Palavra. 15Os que estão na beira do caminho são aqueles nos quais a Palavra foi semeada; logo que a escutam, chega Satanás e tira a Palavra que neles foi semeada. 16Do mesmo modo, os que receberam a semente em terreno pedregoso, são aqueles que ouvem a Palavra e logo a recebem com alegria, 17mas não têm raiz em si mesmos, são inconstantes; quando chega uma tribulação ou perseguição, por causa da Palavra, logo desistem.
18Outros recebem a semente entre os espinhos: são aqueles que ouvem a Palavra;19mas quando surgem as preocupações do mundo, a ilusão da riqueza e todos os outros desejos, sufocam a Palavra, e ela não produz fruto. 20Por fim, aqueles que recebem a semente em terreno bom são os que ouvem a Palavra, a recebem e dão fruto; um dá trinta, outro sessenta e outro cem por um.”

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.


Jesus narra a parábola do semeador e a explica aos seus discípulos. A semente semeada é a Palavra. São diversas as situações em que ela é ouvida. Uns a ouvem por mera curiosidade, sem compromisso; outros ouvem sinceramente, mas arrefecem seu ânimo diante dos riscos que podem correr. Há também osque a escutam, mas a esquecem logo, iludidos pelas falsas seduções dos sistemas de exploração deste mundo. Porém, Jesus nos chama a ouvir e acolher a Sua Palavra dando abundantes frutos de amor, misericórdia e justiça.
A história em si é simples: “Um semeador saiu a semear a sua semente, e, quando semeava, caiu alguma junto do caminho, e foi pisada, e as aves do céu a comeram; E outra caiu sobre pedra, e, nascida, secou-se, pois que não tinha umidade; E outra caiu entre espinhos, e crescendo com ela os espinhos, a sufocaram; E outra caiu em boa terra; e, nascida, produziu fruto, cento por um.” (Lucas 8,5-8).
A explicação de Jesus é também fácil de entender: “A semente é a Palavra de Deus. A que caiu à beira do caminho são os que a ouviram; vem, a seguir, o diabo e arrebata-lhes do coração a Palavra, para não suceder que, crendo, sejam salvos. A que caiu sobre a pedra são os que, ouvindo a Palavra, a recebem com alegria; estes não têm raiz, crêem apenas por algum tempo e, na hora da provação, se desviam. A que caiu entre espinhos são os que ouviram e, no decorrer dos dias, foram sufocados com os cuidados, riquezas e deleites da vida; os seus frutos não chegam a amadurecer. A que caiu na boa terra são os que, tendo ouvido de bom e reto coração retêm a Palavra; estes frutificam com perseverança”(Lucas 8,11-15).
Alguém ensina as Escrituras a várias pessoas; a resposta dessas pessoas depende do estado do coração delas, isto é, de sua atitude. Consideremos o semeador, a semente e o solo.
O trabalho do semeador é colocar a semente no solo. Uma vez que a semente for deixada no celeiro, nunca produzirá uma safra, por isso seu trabalho é importante. Mas a identidade pessoal do semeador não é. O semeador nunca é chamado pelo nome nesta história. Nada nos é dito sobre sua aparência, sua capacidade, sua personalidade ou suas realizações. Ele simplesmente põe a semente em contato com o solo. A colheita depende da combinação do solo com a semente.
Aplicando-se espiritualmente, os seguidores de Cristo devem estar ensinando a Palavra. Quanto mais ela é plantada nos corações dos homens, maior será a colheita. Mas a identidade pessoal do professor não tem importância: “Eu plantei, Apolo regou; mas o crescimento veio de Deus. De modo que nem o que planta é alguma cousa, nem o que rega, mas Deus que dá o crescimento” (1 Coríntios 3,6-7).
A semente é a Palavra de Deus. Cada conversão é o resultado do assentamento do Evangelho dentro de um coração puro. A Palavra gera (Tiago 1,18), salva (Tiago 1,21), regenera (1 Pedro 1,23), liberta (João 8,32), produz fé (Romanos 10,17), santifica (João 17,17) e nos atrai a Deus (João 6,44-45).
Como o Evangelho se espalhava no primeiro século, foi-nos dito muito pouco sobre os homens que o divulgaram, porém, muito nos foi dito sobre a mensagem que eles disseminaram: estude o livro dos Atos dos Apóstolos e note que em cada cidade para onde os apóstolos viajaram, os homens eram convertidos como resultado da Palavra que era ensinada. A importância das Escrituras deve ser ressaltada ao máximo.
O fruto produzido depende da resposta à Palavra. É decisivamente importante ler, estudar e meditar sobre as Escrituras. A Palavra tem que vir habitar em nós (Colossenses 3,16), para ser implantada em nosso coração (Tiago 1,21). Temos de permitir que nossas ações, nossas palavras e nossas próprias vidas sejam formadas e moldadas pela Palavra de Deus.
Uma safra sempre depende da natureza da semente, não do tipo da pessoa que a plantou. Um pássaro pode plantar uma castanha: a árvore que nascer será um castanheiro, e não um pássaro. Isto significa que não é necessário tentar traçar uma linhagem ininterrupta de fiéis cristãos, recuando até o primeiro século. Há força e autoridade próprias da Palavra para produzir cristãos como aqueles do tempo dos apóstolos.
A Palavra de Deus contém força vivificante. O que é necessário são homens e mulheres que permitam que a Palavra cresça e produza frutos em suas vidas; pessoas com coragem para quebrar as tradições e os padrões religiosos em volta deles, para simplesmente seguir o ensinamento da Palavra de Deus. Hoje em dia, a Palavra tem sido frequentemente misturada com tanta tradição, doutrina e opinião que é quase irreconhecível. Mas se pusermos de lado todas as inovações dos homens e permitirmos que  ela trabalhe, podemos nos tornar fiéis discípulos de Cristo justamente como aqueles que seguiram Jesus há quase dois mil anos. A continuidade depende da semente.
É perturbador notar que a mesma semente foi plantada em cada tipo de solo, mas os resultados foram muito diferentes. A mesma Palavra de Deus pode ser plantada em nossos dias, mas os resultados serão determinados pelo coração daquele que ouve.
Alguns são solos de beira de estrada, duro, impermeável. Eles não têm uma mente aberta e receptiva para permitir que a Palavra de Deus os transforme. O Evangelho nunca transformará corações como estes, porque eles não o permitem entrar.
As raízes das plantas, no solo pedregoso, nunca se aprofundam. Durante os tempos fáceis, os brotos podem parecer interessantes, mas, abaixo da superfície do terreno, as raízes não estão se desenvolvendo. Como resultado, vem uma pequena temporada seca ou um vento forte, e a planta murcha e morre. Os cristãos precisam desenvolver suas raízes por meio da fé em Cristo e do estudo da Palavra cada vez mais profundo. Tempos difíceis virão, e somente aqueles que tiverem desenvolvido suas raízes abaixo da superfície sobreviverão.
Quando se permite que ervas daninhas cresçam junto com a semente pura, nenhum fruto pode ser produzido. As ervas disputam a água, a luz solar e os nutrientes e, como resultado, sufocam a boa planta. Existe uma grande tentação a permitir que interesses mundanos dominem tanto nossa vida que não nos resta energia para devotar ao crescimento do Evangelho em nossas vidas.
Então, há o bom solo que produz fruto. A conclusão desta parábola é deixada para cada um escrever. Que espécie de solo é você?
“Eis que o semeador saiu a semear.” A cena é atual. Também agora, o semeador divino lança a sua semente. A obra da salvação continua a cumprir-se e o Senhor quer servir-se de nós: deseja que nós, os cristãos, abramos ao seu amor todos os caminhos da terra; convida-nos a propagar a mensagem divina, com a doutrina e com o exemplo, até aos confins do mundo. Pede-nos que cada um de nós, cidadãos da sociedade eclesial e da sociedade civil, seja outro Cristo, santificando o seu trabalho profissional e as suas obrigações de estado.
Se olharmos à nossa volta, para este mundo que amamos, porque foi feito por Deus, veremos que a parábola se realiza: a Palavra de Jesus é fecunda, suscita em muitas almas desejos de entrega e de fidelidade. A vida e o comportamento dos que servem ao Senhor mudaram a história, e mesmo muitos que não O conhecem se regem – talvez nem disso se aperceberem – por ideais nascidos do Cristianismo.
Vemos também que parte da semente cai em terra estéril ou entre espinhos e abrolhos: há corações que se fecham à luz da fé. Os ideais de paz, de reconciliação, embora aceitos e proclamados, são – não poucas vezes – desmentidos pelos fatos. Alguns empenham-se inutilmente em afogar a voz de Deus, impedindo a sua difusão por meio da força bruta ou com outra arma menos ruidosa, mas talvez mais cruel, porque insensibiliza o espírito: a indiferença.
Padre Bantu Mendonça


"Cantai ao Senhor Deus um canto novo, porque Ele fez prodígios"

Segunda-Feira, 28 de Janeiro de 2013

Santo Tomás de Aquino


Evangelho de Jesus Cristo Segundo S. Marcos 3, 22-30
— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Marcos.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 22os mestres da Lei, que tinham vindo de Jerusalém, diziam que ele estava possuído por Beelzebul, e que pelo príncipe dos demônios ele expulsava os demônios.
23Então Jesus os chamou e falou-lhes em parábolas: “Como é que Satanás pode expulsar a Satanás? 24Se um reino se divide contra si mesmo ele não poderá manter-se.25Se uma família se divide contra si mesma, não poderá manter-se. 26Assim, se Satanás se levanta contra si mesmo e se divide, não poderá sobreviver, mas será destruído.27Ninguém pode entrar na casa de um homem forte para roubar seus bens, sem antes o amarrar. Só depois poderá saquear sua casa.
28Em verdade vos digo: tudo será perdoado aos homens, tanto os pecados, como qualquer blasfêmia que tiverem dito. 29Mas quem blasfemar contra o Espírito Santo, nunca será perdoado, mas será culpado de um pecado eterno”. 30Jesus falou isso, porque diziam: “Ele está possuído por um espírito mau”.

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Reflexão: Quantas maravilhas a palavra de Deus nos revela hoje neh ?? Então que tal comenta-la para que possamos juntos rezar com as benditas palavras do Senhor ?? Então entre no facebook e venha junto ao perfil PJ Rio e vai comentando lah !!!!



"Eu morrerei de pé como as árvores" (Dom Pedro Casaldáliga)

Conversão de São Paulo 

25 de janeiro de 2013

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo S. Marcos 16,15-18

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Marcos.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, Jesus se manifestou aos onze discípulos, 15e disse-lhes: “Ide pelo mundo inteiro e anunciai o Evangelho a toda criatura! 16Quem crer e for batizado será salvo. Quem não crer será condenado. 17Os sinais que acompanharão aqueles que crerem serão estes: expulsarão demônios em meu nome, falarão novas línguas; 18se pegarem em serpentes ou beberem algum veneno mortal não lhes fará mal algum; quando impuserem as mãos sobre os doentes, eles ficarão curados”.

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.


Nesta solenidade da conversão de S. Paulo só nos resta refletir ... eis a poesia

Eu morrerei de pé como as árvores.
Me matarão de pé.
O sol, como testemunha maior, porá seu lacre
sobre meu corpo duplamente ungido.

E os rios e o mar
serão caminho
de todos meus desejos,
enquanto a selva amada sacudirá, de júbilo, suas cúpulas.

Eu direi a minhas palavras:
- Não mentia ao gritar-vos.
Deus dirá a meus amigos:
- Certifico
que viveu com vocês esperando este dia.

De golpe, com a morte,
minha vida se fará verdade.
Por fim terei amado!

Dom Pedro Casaldáliga

Walmyr Junior
Membro da PJ na Coordenação Regional - Leste 1

"Eis que venho fazer, com prazer, a vossa vontade, Senhor" (Salmo 39)
Quinta-Feira, 24 de Janeiro de 2013 

São Francisco de Sales

Evangelho de Jesus Cristo segundo Marcos 3,7-12
— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Marcos.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 7Jesus se retirou para a beira do mar, junto com seus discípulos. Muita gente da Galileia o seguia. 8E também muita gente da Judeia, de Jerusalém, da Idumeia, do outro lado do Jordão, dos territórios de Tiro e Sidônia, foi até Jesus, porque tinham ouvido falar de tudo o que ele fazia. 9Então Jesus pediu aos discípulos que lhe providenciassem uma barca, por causa da multidão, para que não o comprimisse.
10Com efeito, Jesus tinha curado muitas pessoas, e todos os que sofriam de algum mal jogavam-se sobre ele para tocá-lo. 11Vendo Jesus, os espíritos maus caíam a seus pés, gritando: “Tu és o Filho de Deus!” 12Mas Jesus ordenava severamente para não dizerem quem ele era.

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Reflexão:
Neste dia onde a Igreja celebra a memória de S. Francisco Sales somos confrontados com duas realidades nas leituras aqui citadas: os milagre de Jesus no Evangelho e a disponibilidade do Salmista. Fazer a vontade de Deus narrada no Salmo 39 é uma alegria, é um prazer, é uma dádiva! É assim que o salmista, que ora estava realizado com as maravilhas do amor de Deus, supera tudo ao lado do seu mestre, entretanto o Evangelho  narra os milagre de Jesus e a revelação messiânica feita pelos espíritos maus. Ali fala dos angustiados que procuraram Jesus, narra daqueles que queriam tocar no mestre para serem salvos, e de fato foram.  
Esses sinais são as  motivações que nesta leitura aproveitamos. Primeiro por que quando reconhecemos que nossas mazelas e feridas são reflexos das rejeições que fazemos ao amor que nos ama, tomamos consciência dos passos que devemos dar, e nos vemos como essas pessoas que procuravam Jesus não é verdade?? Quantas vezes não deixamos o Cristo nos libertar dos males, curar nossas feridas, saciar nossas sedes... e até nos amar ?? O paralelo com a vida de São Francisco Sales é que justamente um jovem se decidiu pelo amor uma vez duvidou dos passos que devia dar. Certa ocasião, atacado pela tentação de desconfiar da misericórdia do Senhor, ele buscou a resposta dessa dúvida com o auxílio de Nossa Senhora e, assim, a desconfiança foi dissipada.

Assim também somos convidados a recorrer o auxilio de nossa mãezinha para que nossas desconfianças sejam dissipadas e tomemos a coragem do salmista em dizer: “Com prazer faço a vossa vontade"


Walmyr Junior
Membro da PJ na Coordenação Regional - Leste 1


"Não vos esqueçais das obras do Senhor" (Salmo 77)
Sexta-Feira, 18 de Janeiro de 2013

1ª Semana Comum

Evangelho segundo S. Marcos 2, 1-12


— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Marcos.
— Glória a vós, Senhor.

1Alguns dias depois, Jesus entrou de novo em Cafarnaum. Logo se espalhou a notícia de que ele estava em casa. 2E reuniram-se ali tantas pessoas, que já não havia lugar, nem mesmo diante da porta. E Jesus anunciava-lhes a Palavra. 3Trouxeram-lhe, então, um paralítico, carregado por quatro homens. 4Mas não conseguindo chegar até Jesus, por causa da multidão, abriram então o teto, bem em cima do lugar onde ele se encontrava. Por essa abertura desceram a cama em que o paralítico estava deitado. 5Quando viu a fé daqueles homens, Jesus disse ao paralítico: “Filho, os teus pecados estão perdoados”.6Ora, alguns mestres da Lei, que estavam ali sentados, refletiam em seus corações:7“Como este homem pode falar assim? Ele está blasfemando: ninguém pode perdoar pecados, a não ser Deus”. 8Jesus percebeu logo o que eles estavam pensando no seu íntimo, e disse: “Por que pensais assim em vossos corações? 9O que é mais fácil: dizer ao paralítico: ‘os teus pecados estão perdoados’, ou dizer: ‘Levanta-te, pega a tua cama e anda’? 10Pois bem, para que saibais que o Filho do Homem tem, na terra, poder de perdoar pecados disse ele ao paralítico: 11eu te ordeno: levanta-te, pega tua cama, e vai para tua casa!” 12O paralítico então se levantou e, carregando a sua cama, saiu diante de todos. E ficaram todos admirados e louvavam a Deus, dizendo: “Nunca vimos uma coisa assim”.

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

As obras que o Senhor realiza e nossas vidas sempre nos fazem recordar seu amor e sua bondade... não é verdade? O que a sagrada escritura nos convida a fazer hoje é justamente pensar nesse amor e nessa bondade de modo que nossas atitudes possam corresponder ao mesmo amor e a mesma bondade do Pai. Vejamos o exemplo dos que estavam na casa de Jesus. Eles não acreditavam no seu perdão, ou seja, não reconhecia as obras  e graças que Jesus tinha concedido aquele paralítico por conta da absorvição dos seus pecados. Só um parenteses... reconhecemos essas obras quando recebemos o sacramento da confissão ? (fica a dica ein ...) 
Voltando ao paralítico e aos que julgavam a atitude de Jesus .... podemos comparar com nossos julgamentos a cerca da vontade de Deus, ou seja, aceitar as obras de Deus sem ficar inventando dúvidas ou questionamentos absurdos.  Como se pode fazer isso ??? Olhando para nosso espirito de Gratidão, não só a respeito daquilo que de fato Deus faz, perdoa nossos pecados, mas também a cerca das obras de amor que deixamos de perceber e agradecer nos nossos relacionamentos com os outros e as outras neh?? Seja com um bom dia recebido, com um obrigado, com coisas simples e pequenas ou nas maravilhas da humanidade como o amor entre os entes queridos, pais, filhos, avós, irmãos, primos namorados, etc. O que importa é não se esquecer das obras do Senhor e pegar nossa graça, dom, virtude que recebemos e ir levantando da nossa cama e colocar essas bençãos a serviço dos outros ...

Walmyr Junior
Membro da PJ na Coordenação Regional - Leste 1

  

"Eu quero: fica curado!"

Quinta-Feira, 17 de Janeiro de 2013 
Santo Antão

Evangelho segundo São Marcos 1, 40-45


— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Marcos.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 40um leproso chegou perto de Jesus, e de joelhos pediu: “Se queres, tens o poder de curar-me”. 41Jesus, cheio de compaixão, estendeu a mão, tocou nele, e disse: “Eu quero: fica curado!” 42No mesmo instante, a lepra desapareceu, e ele ficou curado.
43Então Jesus o mandou logo embora, 44falando com firmeza: “Não contes nada disso a ninguém! Vai, mostra-te ao sacerdote e oferece, pela tua purificação, o que Moisés ordenou, como prova para eles!” 45Ele foi e começou a contar e a divulgar muito o fato. Por isso Jesus não podia mais entrar publicamente numa cidade: ficava fora, em lugares desertos. E de toda parte vinham procurá-lo.

— Palavra da Salvação.
— Glória a vós, Senhor.


O Evangelho de hoje nos relata coisas bem peculiares, naquilo que se diz à abertura do nosso coração e também nas nossas experiências de fé. Primeiro porque somente com um coração despojado e sem interesses podemos experimentar a graça do amor de Deus assim como o amor do “outro”. Digamos que se um leproso, como o Evangelho nos revela, tivesse apenas o interesse de ser curado por que ele anuncia as maravilhas de Deus em sua vida para todos ouvirem?? Sua relação com Jesus não tinha algo a mais?? Segundo porque o leproso questiona a vontade de Jesus?? Não temos nós uma experiência arraigada sobre nossa fé que nos remeta também à implicação das nossas atitudes a cerca da vontade de Deus ?? Como acreditaremos nas curas que Deus quer em nós realizar ?? Fica claro que nossas lepras só vão desaparecer quando em nós também desaparecer a falta de amor, a falta de Fé, a falta de desprendimento, assim como a falta de caridade.

Walmyr Junior
Membro da PJ na Coordenação Regional - Leste 1


Dia Litúrgico: Quarta-feira da 2ª semana do Advento

Evangelho (Mt 11,28-30): Naquele tempo,respondendo Jesus, disse: "Vinde a mim, todos vós que estais cansados e carregados de fardos, e eu vos darei descanso. Tomai sobre vós o meu jugo e sede discípulos meus, porque sou manso e humilde de coração, e encontrareis descanso para vós. Pois o meu jugo é suave e o meu fardo é leve".
"Meu jugo é suave e o meu fardo é leve"


Hoje; Jesus leva-nos a repousar em Deus. Ele, certamente, é um Pai exigente, porque nos ama e nos convida a dar-lhe tudo, não é um verdugo. Quando nos exige alguma coisa é para nos fazer crescer no seu amor. O único mandamento é o de amar. Pode-se sofrer por amor, mas também nos podemos alegrar e descansar por amor...

A docilidade de Deus libera e enaltece o coração. Por isso Jesus, convida-nos a renunciar a nós mesmos para tomarmos a nossa cruz e segui-lo, diz-nos: «O meu jugo é suave e o meu fardo é leve» (Mt 11,30). Mesmo que por vezes nos custe obedecer à vontade de Deus, cumpri-la com amor acaba por nos encher de gozo: «Dirige-me na senda dos teus mandamentos, porque nela está minha alegria» (Sal 119,35).

Gostava de vos contar uma coisa. Por vezes, quando depois de um dia bastante esgotante, me vou deitar, percebo uma ligeira sensação dentro de mim que me diz: —Não entrarias um momento na capela para me fazeres companhia? Após uns instantes de desconcerto e resistência, termino por consentir e passar uns momentos com Jesus. Depois vou dormir em paz e tão contente, no dia seguinte não acordo mais cansado que de costume.

Não obstante, por vezes sucede-me o contrário. Perante um problema grave que me preocupa, penso: —Esta noite, durante uma hora, na capela, rezarei para que se resolva. E ao dirigir-me para a dita capela, uma voz diz-me no fundo do meu coração: —Sabes? Conformava-me mais que te fosses deitar imediatamente e confiasses em mim; eu ocupo-me do teu problema. E recordando a minha feliz condição de “servidor inútil”, vou dormir em paz, abandonando tudo nas mãos do Senhor...

Com tudo isto quero dizer que a vontade de Deus está onde existe o máximo amor mas não forçosamente onde está o máximo sofrimento... Há mais amor em descansar, graças à confiança do que em nos angustiarmos pela inquietude!

Comentário: P. Jacques Philippe (Cordes sur Ciel, França)


Vinde a mim, todos vós que estais cansados e carregados de fardos, e eu vos darei descanso
Hoje, acaba o ciclo de leituras semanais que tem como protagonista o profeta Isaías. Ele nos faz ver que a atualidade da vinda do Messias foi anunciada profeticamente.

Esperar o regresso do Senhor, seu “adventus”, exige do crente um claro propósito de não desfalecer, aconteça o que acontecer até então. Porque não podemos ignorar que a espera nem sempre resulta ligeira, e se pode chegar a pensar que, de fato, considerando a própria fraqueza, não se alcançará a perseverança de uma vida cristã com tenacidade. A tentação do desânimo está sempre perto dos que somos fracos por natureza.

Também pode nos trair o esquecimento de que o Reino vai abrindo passagem, sobretudo pela vontade de Deus, apesar das resistências dos que não temos uma “determinação determinada”, suficientemente decidida, para buscá-lo acima de tudo e com absoluta prioridade. Muitas vezes nos lamentamos do nosso cansaço: refletimos um pouco e damo-nos conta dos poucos resultados obtidos e, sem o poder evitar, sai-nos da alma uma queixa dirigida ao Senhor, mais ou menos explicita, perguntando-lhe como é que não nos ajudou o suficiente, como é possível que não tenha reparado no trabalho que realizamos. Aqui está nosso pecado! Convertemos Deus em nosso ajudante, ao invés de compreender que a iniciativa é sempre dele e que é dele o esforço principal.

Isaías, nesta perspectiva escatológica que marca as primeiras semanas do Advento, nos lembra quanto é grande e irresistível o poder do Senhor.

Em Jesus Cristo vemos cumprirem-se estas palavras do Profeta. "Vinde a mim (...) e encontrareis descanso" (Mt 11,28). No Senhor, no seu coração amoroso, todos encontramos o descanso necessário e a força para não desfalecer e, assim, poder esperá-lo com uma renovada caridade, enquanto nossa alma não cessa de O bendizer e nossa memória não esquece seus favores.

Comentário: Rev. D. Jaume GONZÁLEZ i Padrós (Barcelona, Espanha)

Fonte: http://evangeli.net/evangelho

Siga-nos!!!