quinta-feira, 8 de março de 2012

Elas fizeram a diferença


Saiba mais sobre uma mulher Bíblica: Sara de Abraão


  Deus prometeu a Abraão um filho que daria origem a todo o povo de Israel e Sara foi a mulher escolhida para dar à luz essa criança. Ela era chamada de “mãe de multidões” e vista como o modelo ideal de mulher casada. Sara era estéril e mostrou ter muita fé quando não desistiu de ter o filho que o Senhor lhe prometeu. Ela perseverou na crença e, aos 90 anos, deu à luz Isaque, que era o herdeiro da promessa feita a Abraão.
sara era dedicada ao filho e ao marido que podiam sempre contar com ela, estando ao lado deles em qualquer situação. Acompanhava Abraão em todas as viagens. Sendo fiel a Deus, Sara não desistia fácil das promessas de Deus e procurava sempre fazer as vontades d’Ele. Recebia as pessoas em casa com felicidade e as servia com prazer.
Sara é um grande exemplo a ser seguido. Seja você também confiante em Deus e nas promessas d’Ele. Não desista dos seus sonhos. Coloque sua família em primeiro lugar, seja companheira (o) e procure ter os mesmos objetivos que o seu marido (esposa), trazendo harmonia pro seu lar.

Texto: Dayana Gomes (Foranea- Vicariato norte)

A Rainha Ester salva seu povo

“Concede-me a vida, eis o meu pedido; salva meu povo, eis o meu desejo.”
  Na cidade de Susa houve um rei muito poderoso que comandava vinte e sete províncias. No terceiro ano de seu reinado o rei Assueiro fez uma grande festa, onde estavam presentes os chefes do exército dos persas e medos, príncipes, governantes de suas províncias e todo o povo. A intenção do rei era manifestar sua riqueza e o esplendor de seu reino. Como era de costume as mulheres se recolhiam em um banquete a parte, como se não bastasse o rei um pouco embriagado mandou que trouxessem a rainha Vasti para que pudesse mostrar ao povo e aos grandes a beleza de sua rainha. Mas a rainha recusou-se, provocando a ira do rei. Mas tarde o rei condenou a rainha ao desprezo e resolveu confiar o título de rainha a outra mulher que fosse mais digna. Mas tarde este título foi concedido a Ester, a escolhida do rei, filha adotiva de Mardoqueu após a morte de seus pais, a jovem da tribo de Benjamim fato mantido em segredo por ordens de seu pai adotivo, de aspecto agradável conquistou o amor do rei mais do que a todas as outras mulheres. Ester então assume o diadema real em lugar de Vasti a antiga rainha.
Havia no templo um homem chamado Amã a quem o rei deu-lhe um alto posto, onde todos deviam obediência ,dobravam os joelhos e prostravam-se diante dele. Mas apenas Mardoqueu se recusava a reverenciá-lo. Dotado de grande raiva e sentimento de vingança sobre o consentimento do rei, Amã resolve exterminar não só Mardoqueu mais toda a nação de judeus do reino de Assueiro. Mardoqueu então pedi a intervenção da rainha Ester. A rainha prepara um belo banquete para o rei, e é recebida por ele com tamanha graça que o rei estende seu cetro de outro que tinha na mão e declara a sua amada: “Qual é teu pedido rainha Ester? Será atendido. Que é que desejas? Fosse mesmo a metade de meu reino, tu obterias”. A rainha respondeu: “Se achei graça a teus olhos, ó rei, e se ao rei lhe parece bem, concede-me a vida, eis o meu pedido; salva meu povo, eis o meu desejo...” Eis que o coração do rei comoveu-se com o pedido de sua rainha e ele atendeu-a livrando os judeus do extermínio.

  Pode-se tirar desta leitura 3 reflexões a respeito de Ester : sua simplicidade, obediência e humildade. Ester era uma jovem simples, e quando confinada aos aposentos no templo, não exigiu nenhuma regalia aos eunucos (empregados do rei responsáveis por cuidar das mulheres), aceitava somente o que lhe era dado, e por isso, foi bem vista por todos no templo; O segundo ensinamento que podemos tirar de Ester é que em nenhum momento ela foi desobediente ao seu pai, Mardoqueu avia ordenado que ela não dissesse sua origem a ninguém da realiza , e assim ela fez, mantendo-se fiel a seu pai até o ultimo estante, que por ordem de seu pai revelou-se ao rei para que pudesse intervir por seu povo. Quantas vezes Deus também nos pede para que nos calemos, para que no momento certo possamos nos revelar em defesa de nossa origem, em defesa do povo de Deus, os escolhidos do Senhor; A terceira reflexão sobre a pessoa de Ester que podemos refletir é a respeito de sua humildade, em momento algum Ester exigiu a libertação de seu povo, ele clama, pede, ao rei, prepará-o, a palavra diz que ela jejuou e deu ordem para que seu povo também jejua-se antes do banquete que ofereceria ao rei. Assim também nós devemos ser, humildes a ponto de reconhecermos necessitados da graça de Deus e colocando-nos em oração para que possamos ser purificados de nossos pecados. E assim, pelo intercessão de Ester e a manifestação da graça de Deus o rei concedeu a liberdade aos judeus. Que possamos ter as virtudes de Ester enraizadas em nós.

Texto: Aline Barsan


Maria Madalena

 Maria Madalena nasceu em Mágdala, na Galileia, e teve uma participação importantíssima na passagem de Jesus pela Terra. Após ter sido curada pelo Senhor, da qual foram expulsos sete demônios. Ela foi perdoada publicamente, Jesus a tomou como exemplo de que seu Pai acolhia a todos, desde que chegassem ao arrependimento. 
"Os doze estavam com ele, e também mulheres que tinham sido curadas de espíritos maus e de doenças. Maria, dita de Mágdala, da qual haviam saído sete demônios..." (Lc 8,1-2). 
Após ter sido curada por Jesus, Madalena coloca-se a serviço do Reino de Deus, fazendo um caminho de discipulado, seguindo a Nosso Senhor no amor e no serviço. E este amor de Maria Madalena levou-a até o momento mais difícil da vida e da missão de Nosso Senhor, o Calvário, permanecendo ao lado d'Ele até o fim. 
"Junto à cruz de Jesus estavam de pé sua mãe e a irmã de sua mãe, Maria de Cléofas, e Maria Madalena" (Jo 19,25). 
Foi a escolhida para ser a primeira testemunha da ressurreição.
"Então, Jesus falou: 'Maria!' Ela voltou-se e exclamou, em hebraico: 'Rabûni!' (que quer dizer: Mestre)" (Jo 20,16).
A liturgia bizantina celebra-a como “Apóstola dos Apóstolos”, para que continue a sua missão de anunciar a ressurreição do Senhor no seu rito apostólico. Festejada no dia 22 de julho, santa Maria Madalena tornou-se a padroeira de muitas ordens religiosas, sendo venerada até mesmo pelos padres predicadores. Ela estava ao lado de Maria quando da crucificação do Senhor e, na madrugada da Páscoa, era tanta a saudade que sentia de Jesus que foi chorar à porta do sepulcro. De repente, ouviu a voz, que jamais esqueceria, chamar seu nome. Assim, as profecias cumpriram-se diante de seus olhos. Jesus ressuscitara!
Existe uma tradição de que Maria Madalena, juntamente com a Virgem Maria e o Apóstolo João, foi evangelizar em Éfeso, onde depois veio a falecer.


A mulher Adúltera (Jo 8, 1-11)


"Quem de vós estiver sem pecado, seja o primeiro a lhe atirar a pedra"
Jesus dirigia-se para o monte das Oliveiras como de costume.
Pela manhã voltou ao templo e todo o povo voltou-se a Ele. Jesus sentou e começou a ensiná-los. Os escribas e fariseus trouxe até Jesus uma mulher que foi pega em adultério. Segundo a lei da época, era costume apedrejar as mulheres adulteras. No entanto, Jesus ouvindo as acusações incli
nando-se para fr
ente começou a escrever com os dedos na terra do chão. Como os homens revestidos e ira, insistiam em resmungar contra a mulher, pois os fariseus e os escrivas esperavam uma
resposta negativa de Jesus diante daquela situação. Jesus estão lhes diz: "Quem de vós estiver sem pecado, seja o primeiro a lhe atirar a pedra." No mesmo instante, os homens foram se afastando, e a mulher viu-se sozinha diante de jesus. A mulher ainda receosa, estendeu seu olhar atento as palavras que Ele as dirigia: "Mulher, onde estão os que te acusavam? Ninguém te condenou?"

Respondeu lhe ela: "Ninguém, Senhor." Então, o Senhor disse a ela a mais lindas das palavras: "Nem eu te condeno. Vai e não tornes a pecar."

Este texto nos faz reconhecer o quanto somos vulneráveis diante das acusações do mundo, o tempo todos somos agredidos por palavras, ações, pelas nossas fragilidades,e assim, como a mulher Adúltera, nos encontramos caídos literalmente no chão, indefesos e a espera da condenação. É justamente nestes momentos que somos surpreendidos pela misericórdia do Senhor. Um Deus que não nos condena, mas primeiramente nos ama e acolhe-nos de todo cor
ação. Jesus é a certeza de que não estamos desamparados. É justamente nos momentos em que nos sentimos mais humilhados que o Pai se revela. Que tenhamos um olhar mais ampla e uma fé mais sólida porque há um Deus que se coloca diante de nós e ao se revelar muda a nossa história.
Você quer mudar a sua história? Deixe que o Senhor se revele na sua vida!


Texto: Gabriela Soares (voluntária DNJ-Compj)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Siga-nos!!!