quinta-feira, 2 de maio de 2013

O ano da fé e a juventude nas sagradas escrituras




É eminente e bem claro a confiança que Deus sempre esteve depositando na juventude, o chamado a viver a radicalidade do amor, a entrega e doação ao próximo, é algo que vem de encontro a nossa realidade de forma muito real e nos exige respostas concretas; tal desejo de responder a esse amor, somos impulsionados e encorajados a professar a nossa fé em todo tempo e lugar, mais agente só pode oferecer daquilo que temos.

É o próprio Deus apostando e confiando a mim e a você um sonho de mudança , transformação em nossa sociedade,que todos tenham o conhecimento da verdade e experimentem desse amor incondicional de Deus.

Quem nunca pensou em mudar o mundo? Fazer algo que fosse capaz de acabar com a fome, injustiça, guerras e mortes... Pois bem segue abaixo exemplo de jovens corajosos que aceitaram o desafio marcaram a história, optaram de viver em fé não buscando glorias para si mesmos, mais em todo tempo exaltar ao nosso Deus.




Nasceu no Chile, em 1891. Aos 10 anos,recebeu sua Primeira Comunhão e, a partir desse momento, fez o propósito de amar a Deus com todas as forças. Empenhou-se por tornar Jesus conhecido e por reparar as ofensas contra Ele.Ofereceu a vida em troca da conversão de sua mãe que estava em situação de pecado. Foi tomada por uma grande enfermidade e chamada a à presença de Deus aos 12 anos. É considerada “Mártir da Pureza”.




 
Davi é o filho mais jovem de Jessé. Foi o escolhido para ser ungido rei de Israel (cf. 1Sm 16,1-13). Mesmo desacreditado por ser jovem (cf. 1Sm 17,31-33.42), mostrou inteligência, vontade e coragem para enfrentar Golias (cf. 1Sm 17). Representa o povo fraco e oprimido na construção de um reinado marcado pelo crescimento e pela felicidade de sua nação.






Maria de Nazaré é a jovem que recebe um papel fundamental na História da Salvação, apresentando-se com fé, obediência, coragem e liderança. Prometida em casamento a José, aceita a proposta de Deus para ser a Mãe de seu Filho (cf. Lc 1,26-38). O seu “Eis aqui a serva do Senhor! Faça-se em mim segundo a tua palavra”


(Lc 1,38), transformou-lhe a vida e a história da humanidade.Atravessa as montanhas de Judá para ajudar Isabel e proclama o Magnificat, consciente da situação política, cultural e religiosa de seu tempo, assumindo com coragem sua missão.




Adentrando ao nosso contexto atual, a igreja mais uma vez proclama o Ano da Fé, esse uma vez vivenciado no ano de 1967( SEC. XX) através do Papa PIO VI em comemoração do 19º centenário do martírio de S. Pedro e S. Paulo, Pedro um homem que teve entregue as chave da igreja, mesmo tendo negado ao Cristo diante de uma situação difícil e Paulo que achava certo tudo o que fazia, até ter vivenciado uma experiência a caminho de Damasco, na qual teve sua vida completamente transformada de tal forma que o levou a seguir um novo rumo com um novo sentido e respirar de viver.

Naquela época a proposta da a igreja estava com o intuito de “retomar a exata consciência da fé :para reavivar, purificar, confirmar, confessar a fé”.

No nosso cenário atual, o nosso Papa Emérito Bento XVI, em meio a tantas crises de fé, nos fala , da perda do sentido religioso , que constitui o maior desafio para os dias de hoje na Igreja ...

“Será um momento de graça e de compromisso para uma conversão a Deus cada vez mais completa, para fortalecer a nossa fé nele e para O anunciar com alegria ao homem do nosso tempo”.Bento XVI

Um Ano da Fé proclamado, nos apresenta diversas oportunidade para exercitarmos e assumirmos a nossa postura de Cristão. É parecido com pedir paciência a Deus, ele irá lhe proporcionar situações para você exercitar esse desejo de ser paciente.




Uma conversão diária, na luta pela santidade, pois esse é o desejo e escolha de Deus para mim e para você ( Efésios 1,5) e  para mostrar que é possível viver a luz da Palavra de Deus, as primícias do Evangelho temos vários exemplos de jovens no Antigo testamento , no Novo Testamento e até  jovens que mesmos não estando relatados na sagrada escritura  estiveram ou estão  próximos de cada um de nós, para nos ajudar a reconhecer que quando estamos com os olhos fixo no Cristo fica bem mais fácil, carregar a cruz.

Se faz necessário não somente conhecer , mais vivenciar , experimentar, testemunhar, fazer valer a pena.

E com isso Paulo nos aponta no livro de Romanos um caminho para a fé que é  o ouvir, ouvir não de qualquer lugar, qualquer fonte, mais o ouvir da pregação da Palavra de Deus , palavra essa que transforma , cura, renova a minha e a sua vida. (Rm 10:17 ), sem nos esquecermos também da citação de São francisco de Assis sobre a evangelização ser em todo o tempo e lugar através da vida, se necessário usar as palavra, pois a sua vida talvez seja o único evangelho que uma pessoa possa veja; digo isso porque uma vez escutei um jovem dizer que as palavra convence mais o testemunho arrasta, daí a importância de termos nossos olhos mirados a todos instante no Cristo, para não cairmos nas frustrações de confiarmos em homens ( Jeremias 17,5) ), e sim naquele é o autor e consumador da nossa Fé ( Hebreus 12,1b).

Palavra essa que uma vez proferida não volta vazia, mais produz o seu efeito ( Isaías 55,11), efeito como uma flecha que quer atingir o nosso coração, efeito que gera desejo de conversão, metanoia para ai sim  não vivemos nos achismos e relativização da fé,  mais continuarmos abraçando e  buscando em fontes seguras aquilo que vai verdadeiramente  nos alimentar; o próprio Cristo,pois seremos tentados e testados, mas se permanecermos na rocha resistiremos pelo amor.Pois o homem está ainda que não perceba, cada vez mais sedento de Deus sedento de sua palavra, até porque esse desejo de buscá-lo, é o próprio Deus quem coloca em nossos corações.

Para nos ajudar ainda mais nossa amada Igreja, rica em tradição e cultura vem com um presente gerado do coração de Deus para toda a juventude, inspirado por Bento XVI, o  Catecismo da Igreja Católica para os jovens (You Cat ), com uma linguagem especial para  a juventude e que vai nos ajudar a conhecer mais sobre a nossa igreja e nos capacitar a  responder os questionamentos que vem de encontro a nossa fé sobretudo nesse século, onde aquilo que é o certo, ainda que pareça lógico, se tenta de vários  modos ofuscar ,distorcer, banalizar aquilo que é o verdadeiro e inegociável.

O YouCat que é um tesouro, é indispensável para os grupo de jovens, observo o quão os jovens tem medo de tratar de determinados assuntos em suas reuniões, para não causar polêmicas, ou perder jovens, faço um apelo  que a luz da Palavra de Deus ,os  documentos da igreja e seus direcionamentos, ousemos sim adentrar nesses assunto para não cairmos em tentação e no deixarmos conduzir pelas seduções mundanas que tentam abalar a nossa fé, pois estamos aqui para agradara a Deus ou aos homens (Gálatas 1,10) , mais que enraizados e edificados em Cristo possamos seguir firmes na fé (Col 2, 7) tema da última JMJ em Madri, indo e fazendo discípulos entre todos os povos e nações (Mat 28,19) tema JMJ-Rio 2013, assim sendo obedientes ao chamado de jovens discípulos missionários que o senhor faz a cada um de nós também nesse Ano de Jornada Mundial da Juventude que acontecerá entre os dias 23 e 28 de julho na Cidade do Rio de Janeiro .











Venham meus amigos!



Responsável: Ana Vitória (Coordenadora da Pj no Vicariato Norte)
Articuladores: Naná (Tesouraria PJ) e Absalan (Coordenador da PJ no Vicariato Leopoldina)
Fotos: Internet









Um comentário:

  1. Ainda bispo de Cracóvia, o tão sorridente Karol Wojtyla, em um dos muitos encontros com os jovens daquela cidade, promovia exercícios espirituais para este público. Tais exercícios tiveram suas pregações transcritas e organizadas em um livro intitulado “Exercícios Espirituais para os jovens” das Edições Loyola – procurem! É muito bom. Destacamos aqui o capítulo sobre oração, onde desenvolve as reflexões sobre algumas perguntas (Eu rezo? Porque rezo? O que significa rezar?) e nos vai revelando a busca intrínseca à natureza humana por uma causa primeira, juntamente com a inquietação do ser e de ser humano:

    “O Verbo, realidade visível, acessível à nossa experiência e conhecimento, indica o que estava no início, aquilo com que esta realidade deve necessariamente explicar-se. Verbo significa pensamento, sabedoria, mente. Aqui está o homem, parte daquela realidade visível que o atrai e suscita nele a atenção sempre maior e o impulso a procurar, que sempre mais o estimula e satisfaz sua necessidade de conhecimento. Este homem – pode-se dizer verbo (com “v” minúsculo) –, este intelecto, parte de toda a realidade visível, precisamente através desta realidade, precisamente através de sua riqueza e de sua profundidade liga-se com o Verbo, com esta inteligência, com este pensamento, com este intelecto sem o qual a riqueza, a complexidade e a precisão do mundo, de resto tão cheia de contínuos fatos inesperados, se torna incompreensível.” (p. 84)

    Para tanto, para a vivência de uma vida nova, exige do ser o reconhecimento de sua própria existência, pois examinar a consciência traz ao coração os efeitos de fenômenos acontecidos e projeções futuras da intencionalidade do ser. Assim, reconhecer é encontrar-se agindo, é estar sendo criatura. Deus é, não está sendo Deus. Deus não foi de uma certa maneira e hoje se encontra o Todo-poderoso. Assim como não será a salvação, Deus é, Deus é a salvação. O tempo presente encerra a existência em sua magnitude; contemplar o momento torna o homem um com toda a criação, pois o Criador é. Ontem passou, é lembrança, glória e frustração. Amanhã virá, é esperança e incerteza. Hoje se celebra as lições do passado e se aplaina o caminho do amanhã. Criador e a criatura em comunhão, fazendo do homem “o descontinuo na continuidade da vida”; o homem pensa e, logo, ele é: a essência para ser um com o Todo – a vida nova.

    À medida que no dispomos a orar, o conhecimento sobre nossa existência no mundo é ampliado e se reconhece uma relação dialética; o terreno do coração é arado para o plantio da semente da Palavra. Com isso, a oração é assumida como alicerce para a constância no caminho de fé; quando a procura pelo Senhor é sincera e intensa, o Espírito Santo prepara o solo para que seja fértil, alertando nosso coração de seus desvios. A beleza do abandono é manifesta na contemplação, o Espírito fortalece e alegra nossos corações na espera da glorificação; a vontade de conhecer antecipa-se as outras vontades do coração e estas são realizadas no seu tempo. O Espírito semeia, possibilitando os momentos de aprendizado. Cultiva, fortalecendo e consolando o coração em suas dores e espera. E, colhe, quando o coração agradece por e em tudo e abandona-se a Ele.

    “Conservai assim a Palavra de Deus, pois felizes os que a guardam. Que ela se extravase em vossas afeições e em vossos costumes. Comei-a fartamente, e vossa alma saciada se rejubilará.” (S. Bernardo)

    Humberto Macieira – Assessoria PJ Vicariato Suburbano

    ResponderExcluir

Siga-nos!!!