quinta-feira, 27 de outubro de 2011

A Rainha Ester salva seu povo

“Concede-me a vida, eis o meu pedido; salva meu povo, eis o meu desejo.”

Na cidade de Susa houve um rei muito poderoso que comandava vinte e sete províncias. No terceiro ano de seu reinado o rei Assueiro fez uma grande festa, onde estavam presentes os chefes do exército dos persas e medos, príncipes, governantes de suas províncias e todo o povo. A intenção do rei era manifestar sua riqueza e o esplendor de seu reino. Como era de costume as mulheres se recolhiam em um banquete a parte, como se não bastasse o rei um pouco embriagado mandou que trouxessem a rainha Vasti para que pudesse mostrar ao povo e aos grandes a beleza de sua rainha. Mas a rainha recusou-se, provocando a ira do rei. Mas tarde o rei condenou a rainha ao desprezo e resolveu confiar o título de rainha a outra mulher que fosse mais digna. Mas tarde este título foi concedido a Ester, a escolhida do rei, filha adotiva de Mardoqueu após a morte de seus pais, a jovem da tribo de Benjamim fato mantido em segredo por ordens de seu pai adotivo, de aspecto agradável conquistou o amor do rei mais do que a todas as outras mulheres. Ester então assume o diadema real em lugar de Vasti a antiga rainha.
Havia no templo um homem chamado Amã a quem o rei deu-lhe um alto posto, onde todos deviam obediência ,dobravam os joelhos e prostravam-se diante dele. Mas apenas Mardoqueu se recusava a reverenciá-lo. Dotado de grande raiva e sentimento de vingança sobre o consentimento do rei, Amã resolve exterminar não só Mardoqueu mais toda a nação de judeus do reino de Assueiro. Mardoqueu então pedi a intervenção da rainha Ester. A rainha prepara um belo banquete para o rei, e é recebida por ele com tamanha graça que o rei estende seu cetro de outro que tinha na mão e declara a sua amada: “Qual é teu pedido rainha Ester? Será atendido. Que é que desejas? Fosse mesmo a metade de meu reino, tu obterias”. A rainha respondeu: “Se achei graça a teus olhos, ó rei, e se ao rei lhe parece bem, concede-me a vida, eis o meu pedido; salva meu povo, eis o meu desejo...” Eis que o coração do rei comoveu-se com o pedido de sua rainha e ele atendeu-a livrando os judeus do extermínio.

Pode-se tirar desta leitura 3 reflexões a respeito de Ester : sua simplicidade, obediência e humildade. Ester era uma jovem simples, e quando confinada aos aposentos no templo, não exigiu nenhuma regalia aos eunucos (empregados do rei responsáveis por cuidar das mulheres), aceitava somente o que lhe era dado, e por isso, foi bem vista por todos no templo; O segundo ensinamento que podemos tirar de Ester é que em nenhum momento ela foi desobediente ao seu pai, Mardoqueu avia ordenado que ela não dissesse sua origem a ninguém da realiza , e assim ela fez, mantendo-se fiel a seu pai até o ultimo estante, que por ordem de seu pai revelou-se ao rei para que pudesse intervir por seu povo. Quantas vezes Deus também nos pede para que nos calemos, para que no momento certo possamos nos revelar em defesa de nossa origem, em defesa do povo de Deus, os escolhidos do Senhor; A terceira reflexão sobre a pessoa de Ester que podemos refletir é a respeito de sua humildade, em momento algum Ester exigiu a libertação de seu povo, ele clama, pede, ao rei, prepará-o, a palavra diz que ela jejuou e deu ordem para que seu povo também jejua-se antes do banquete que ofereceria ao rei. Assim também nós devemos ser, humildes a ponto de reconhecermos necessitados da graça de Deus e colocando-nos em oração para que possamos ser purificados de nossos pecados. E assim, pelo intercessão de Ester e a manifestação da graça de Deus o rei concedeu a liberdade aos judeus. Que possamos ter as virtudes de Ester enraizadas em nós.

Por Aline Barsan

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Siga-nos!!!